sábado, 16 de dezembro de 2017

Schadenfreude (Pimenta no olho do outro é refresco)

Nada mais classe média midiotizada e ricos narcisistas na pacata e retardada Bananaland do que o Schadenfreude, esta palavra germânica que toca na ferida da hipocrisia nacional.

Schadenfreude é uma palavra derivada do alemão - Schaden (dano) e Freude (alegria), utilizada para designar o prazer obtido dos problemas dos outros. É a palavra que dá significado ao sentimento descrito no dito popular  tupi-guarani: "pimenta nos olhos dos outros é refresco". 

Desde os tempos bíblicos há menções de uma emoção semelhante na descrição ao schadenfreude: "Quando cair o teu inimigo, não te alegres, nem se regozije o teu coração quando ele tropeçar; Para que, vendo-o o Senhor, seja isso mau aos seus olhos, e desvie dele a sua ira" (Provérbios 24:17-18). 

Na Grécia clássica, Aristóteles usou o termo "Epikhairekakia" na obra Ética a Nicômaco, que quer dizer "alguém que sente prazer com o infortúnio de outro"

Schadenfreude atrai porque é uma vingança desempenhada sem qualquer esforço por parte do observador. A sensação é parecida com a conquista de um inimigo. O prazer sentido é ilegítimo, e desta forma culposo; o indivíduo nada fez para o receber. Uma vitória recebida sem qualquer competição não pode ser nada mais do que "vendeta imaginária", apenas uma satisfação virtual. 

Enfim, já que estamos falando de alemão, ricos nacionais apátridas narcisistas e classe média midiota, nada mais tupi-guarani do que o 7X1 (suspeitíssimo, mas nunca revelado).

É isto aí!

sexta-feira, 15 de dezembro de 2017

Esqueci o seu rosto

Esqueci
o seu rosto,
e seu gosto,
que coisa engraçada

Desejei
o seu corpo
e agora só
veio o nada

coisa engraçada
seu corpo
seu rosto
ficaram na semana passada

Na tristeza
perdi o seu gosto
sua voz morena
suas risadas

Chorei
sem a foto
do seu lado
que tirei da sacada

É isto aí!

quarta-feira, 13 de dezembro de 2017

Ah, Caramuru ...

Dona Catarina*
Bananaland vive a maldição do sebastianismo pela poderosa organização criminosa que por aqui aportou no século XVI. Desde então querem sempre manter as aparências, reprimir e desviar o pau brasil pelo regozijo das mocinhas francesas, inglesas, jovens polacas , mas sem abrir mão do batalhão de mulatas ... (Obrigado Aldir Blanc e João Bosco)

Como sabemos, o péssimo ano de 2017 está terminando, mas 2018 será tão ruim que fará de 2017 um sonho de valsa.

Não basta pensar diferente, tem que ter ódio o suficiente para destruir o bem comum.

Diante dos golpistas de plantão, Caramuru deveria ser canonizado, bem como Joaquim Silvério dos Reis e Calabar.

O problema não é destruir a política das coisas públicas de Bananaland, é destruir a Pátria. Este é o real problema.

O complexo de viralatas não existe, o que existe é o ódio dos supostos brancos, que escondem sua origem Caramuru. Aliás, é proibido falar de Caramuru, um português que chegou no início do século XVI, bem no início, num navio francês, e fincou o pé e o falo na Bahia, gerando dezenas e mais dezenas e mais dezenas de filhos e filhas (falam em centenas). É o Peri das Cecis tupynambás.

Diogo Álvares (O Caramuru) foi o maior reprodutor individual e o exportador de pau brasil para a França, Espanha e Inglaterra  durante seus 40 anos de relação humana insaciável entre as nativas, descritas anteriormente com tal zelo por Pero Vaz de Caminha, que assanharam os bravos ibéricos em seus sonhos mais loucos.

Ainda no tema, a sacanagem corria tão solta sobre a preferência pelas mocinhas nativas que o Padre Manuel da Nóbrega, que anos mais tarde viria a fundar São Paulo, escreveu à Rainha Regente Dona Catarina da Áustria para que ela enviasse mocinhas virgens para casarem-se com os altos membros da corte e do comércio, e prostitutas para se casarem com a plebe - eita! E, claro, foi prontamente atendido na medida do possível.

A Rainha Regente enviou nas esquadras de Oliveira Carvalhal, Duarte da Costa, Mem de Sá e Estácio de Sá um número significativo de mulheres para europeizar o recém empossado território além-mar, constante do Tratado das Tordesilhas (órfãs, prostitutas, presidiárias, judias convertidas, muçulmanas, andarilhas, ciganas, refugiadas). 

Exclusivamente para a elite local, vieram as que ficaram conhecidas como donzelas virgens de Dona Catarina. Elas já vieram sob encomenda, casaram sem direito à escolha do pretendente, e constituíram famílias que até hoje dominam o cenário nordestino. 

E esta corja golpista fica aí arrotando merda com ares nobres com prendas novas, bonitas, domesticadas e do lar - rá rá rá! As virgens da rainha catarina ... rá rá rá ...

* descrição do quadro da Rainha Catarina, no original, na língua oficial do golpe:

Catherine of Austria, Queen of Portugal, daughter of King Felipe I of Spain, and Infanta Juana of Spain (Juana la Loca), wife of King João III of Portugual, mother of Prince João Manuel of Portgual.

A Rainha Catarina da Áustria, Rainha de Portugal, filha do rei Felipe I de Espanha, e Infanta Juana de Espanha (Juana la Loca), esposa do rei João III de Portugal, mãe do príncipe João Manuel de Portugal. Nasceu em 14 de janeiro de 1507 em Torquemada (Espanha) e faleceu em 12 de fevereiro de 1578 Lisboa 71 anos

Regente em nome do neto menor, Sebastião, que "ganhou" o trono aos três anos de idade. As suas desavenças com o jovem rei fizeram-na abdicar da regência em 1562.

Sebastião assumiu o governo aos catorze anos de idade em 1568. Por motivos ainda desconhecidos pela plebe, mas que podem ser imaginados (devia ser um mimado, criado pela avó "literalmente" a leite e pera), o Rei foi insistentemente cobrado a tomar atitudes para cessar as ameaças às costas portuguesas e motivado no seu orgulho a reviver as glórias da chamada Reconquista.

Supostamente embevecido pela vaidade, decidiu montar um esforço militar em Marrocos, planejando uma nova cruzada. A derrota na Batalha de Alcácer-Quibir em 1578 levou ao desaparecimento do jovem Sebastião em combate, bem como da nata da nobreza que o acompanhava nesta guerra, iniciando a crise dinástica de 1580 que levou à perda da independência para a Espanha e ao nascimento do mito do Sebastianismo.

É isto aí!

segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

E a tal da felicidade?

Auguste Rodin - Le Penseur
Quero agradecer o convite para estar aqui com vocês. Fiquei, aliás, me senti honrado com o convite. Hoje o tema da nossa palestra é sobre a Felicidade. Esta coisa tão incompreensível quanto a Esfinge de Gizé - você sabe que a esfinge está ali, mas não tem a menor ideia como e por que está ali, nem quem a colocou, nem o sentido, nem a necessidade, nem o significado, nem quem a fez, nem quem a projetou. Você sabe por que vê que existe aquele imenso bloco de calcário esculpido no que hoje é um grande deserto. 

Quando foi construída, ali havia um jardim, florestas, água, flora e fauna em abundância, e hoje persiste solitária, sem nenhum sentido, no meio de um imenso e escaldante deserto. É isto que vocês entendem como felicidade? Uma coisa sólida, imune às intempéries, mesmo que perca o significado?

Vejamos um automóvel. Ele existe, e nele está o resultado de pesquisas, projetos e trabalho, tal qual a Esfinge. Tem vidro, plástico, borracha, motor, caixa de marcha, tanque de combustível, etc. Você lê no manual as milhares de partes que compõem o seu carro. Ele existe... É seu! Transporta as suas dores, as suas lágrimas, as suas angústias, as suas esperanças, e tudo mais que carrega consigo, até que começa a dar problemas, precisa de ajustes, de manutenção. O seu carro é um projeto de felicidade? Não, não é.

O que nos faz felizes hoje não necessariamente será a garantia do sorriso eterno. Quantos de vocês aqui presentes já fizeram ou receberam juras de amor que acabou virando um pesadelo? Um amor que foi construído no jardim do romantismo que não foi capaz de suportar um dia apenas no deserto da vida.

Antes de ir para cá, andei pesquisando aqui e ali, ouvindo transeuntes, pessoas próximas e também distantes. Vamos lá verificar de perto:

O que temos no dicionário:
Felicidade é a qualidade ou estado de ser ou estar feliz.

O que falam os religiosos:
Felicidade é o estado de uma consciência plenamente satisfeita como amor de Deus;

O que dizia a professora da infância:
Felicidade é ser feliz.

E a estagiária do escritório:
Felicidade é o contentamento pessoal, íntimo e intransferível.

Sobre isto o que pensa o novo rico:
Felicidade é poder comprar tudo o que eu sempre quis.

E o moderninho dependente High Tech:
Felicidade é um programa virtual.

E para os físicos  e astro-físicos?
Felicidade é adimensional, mas talvez um dia possamos encaixa-la na Teoria das Cordas.

A garotinha zen da faculdade:
Felicidade é etérea.

O primo agnóstico:
Felicidade não existe tal qual pensamos

Agora, saindo do anonimato da multidão que atropela as calçadas e passeios públicos, vamos aos pensadores:

O que é a felicidade para o poeta:
Ser feliz sem motivo é a mais autêntica forma de felicidade. (Carlos Drummond de Andrade)

E para o monge budista:
Não existe um caminho para a felicidade. A felicidade é o caminho. (Thich Nhat Hanh)

O escritor:
Saber encontrar a alegria na alegria dos outros, é o segredo da felicidade. (Georges Bernanos)

O romancista:
Felicidade é a certeza de que a nossa vida não está se passando inutilmente. (Érico Veríssimo)

O psicanalista:
A felicidade é um problema individual. Aqui, nenhum conselho é válido. Cada um deve procurar, por si, tornar-se feliz. (Sigmund Freud)

Disse o matemático:
Humanamente não existe um ser que seja feliz sem que o outro também seja. (René Descartes)

O poeta satírico:
Não existe felicidade perfeita. (Horácio)

O dramaturgo:
Nós não somos felizes, e a felicidade não existe; apenas podemos desejá-la. (Anton Tchekhov)

E concluindo, espero ter contribuído com vocês para que este dia seja validado na sua existência. Não sei falar mais nada sobre o assunto, sim, isto é verdade. Se algum de vocês levantar a mão, pedir a palavra e perguntar - Professor, afinal, o que é a felicidade? 

Vou antecipar a resposta - Não sei. Ela está aí, dentro de cada um de vocês, para uns ainda é um enigma, para os outros um sentimento de paz, para outros uma dor, para outros um sorriso - investiguem sua alma, perguntem ao seu coração - Minha felicidade é uma imagem real do que eu desejo para mim? Ela existe? Se existe, como ela realmente é? Saiam do passado, o que importa é o agora e esta felicidade de agora pode estar oculta pela imensa esfinge que não tem mais nenhum significado nem para você em para os que o cercam

É isto aí!

domingo, 10 de dezembro de 2017

CriZ LiMa entre nós, ao Pé da Pitangueira?

Este Reino da Pitangueira tem mais uma nova moradora -  CriZ LiMa.

Não, não sei ainda o perfil da moça. Aliás o perfil dela é envolto de mistérios - não existe nenhuma pista na rede. Mais um mistério do mundo virtual - quem é CriZ LiMa?

O que ela come, do que se alimenta? Do que gosta de beber? Quais livros leu? Qual a sua ideologia politica e social? Não percam os próximos capítulos sobre a incrível história de uma moça sem história.

Um abraço

Paulo Abreu


sábado, 9 de dezembro de 2017

Papo de Esquina XLIV

- Em Bananaland, setores da esquerda já começam a pedir um golpe.

- O interessante que na direita o golpe é desejo permanente.

- E a força jedi já está a postos ...

- Ai ai ... haverá choro e ranger de dentes para todos os lados.

É isto aí!

sexta-feira, 8 de dezembro de 2017

No meio da guerra eu sinto sua falta

https://therationalmale.com/2012/09/11/of-love-and-war/

O sino badala
o dia espreguiça
 e a vida passa
 lenta na ágora

o ódio
a amargura
o rancor 
os atos do mal

findam esperanças,
findam sonhos.
Malditos maculados
das hordas do Hades. 

Olho em volta
ela não está 
fincou o passado
 em minh'alma

do amor findo
tatuei a angústia
na saudade
da moça 

a moça dos passos,
altos, que passam
e repassam 
na solidão 

É isto aí

quarta-feira, 6 de dezembro de 2017

O Beco (Dante Milano)

O Beco (Dante Milano)

No beco escuro e noturno
Vem um gato rente ao muro.
Os passos são de gatuno.
Os olhos são de assassino.

Esgueirando-se, soturno,
Ele me fita no escuro.
Seus passos são de gatuno.
Seus olhos são de assassino.

Afasta-se, taciturno.
Espanta-o meu vulto obscuro.
Meus passos são de gatuno.
Meus olhos são de assassino.


Considerado por Drummond "um poeta de extraordinária qualidade", Dante Milano (1899-1991) é quase clandestino na literatura brasileira. Poucos o conhecem, pouco se escreve sobre ele. Mas, de certo modo, ele quis assim. Avesso ao "rumor de falsa glória", ele afirma que "só o silêncio é musical". 

Embora freqüentasse as rodas literárias do Rio de Janeiro, onde nasceu e viveu, Dante Milano era completamente arredio à fama. Publicou seu primeiro e único livro, Poesias, aos 49 anos e, mesmo com a acolhida entusiástica da crítica, manteve-se distante. Convidado a candidatar-se à Academia Brasileira de Letras, jamais aceitou. 

A impressão que fica


Tiririca pediu sua exoneração do cargo para o qual foi eleito, em discurso emocionado, mas não emocionante. Da forma e nas circunstâncias nas quais se deu, passou uma impressão que foi empurrado.

Trump anunciou que Jerusalém é a capital de Israel. Em poucas palavras evitou dar pistas, passando uma impressão que foi empurrado.

A equipe de repressão do estado menor e medíocre de bananaland prendeu professores hoje. Professores, veja bem ... professores - deve ser a tal da obsessão pela classe. Passou a impressão que foram empurrados.

1.200 professores da determinada faculdade foram demitidos, em agradecimento pela lei da revogação dos direitos humanos do trabalhador. Ah! professores ... - Passou a impressão que foram empurrados.

Patinhos amarelos e patinhas amarelas são mais que idiotas, são hipócritas também - passam a impressão de que gostam de ser empurrados.

É isto aí!


Chuck Berry Greatest solo on Johnny B Good & Bye Bye Johnny (1972)

domingo, 3 de dezembro de 2017

Eu não existo sem você (Vinicius de Moraes)

Eu sei e você sabe, 
já que a vida quis assim
Que nada nesse mundo 
levará você de mim

Eu sei e você sabe 
que a distância não existe
Que todo grande amor 
só é bem grande se for triste

Por isso, meu amor, 
não tenha medo de sofrer
Pois todos os caminhos 
me encaminham prá você

Assim como o oceano 
só é belo com o luar
Assim como a canção 
só tem razão se se cantar

Assim como uma nuvem 
só acontece se chover
Assim como o poeta 
só é grande se sofrer

Assim como viver 
sem ter amor não é viver
Não há você sem mim, 
eu não existo sem você







sexta-feira, 1 de dezembro de 2017

Papo de Esquina XLIII

Lembra do avião malaio? Sumiu sem deixar rastros.

E o submarino portenho? Sumiu do nada.

E as denúncias de corrupção dentro da Lavajato?

Denúncias? Corrupção? Lavajato? O que é isso?

É isto aí!

quinta-feira, 30 de novembro de 2017

Previsões Mago da Pitangueira Parte I - 2018


Imagem relacionada
Como fazemos todos os anos, vamos ao Monte das Profecias, onde medita em total harmonia com a natureza e com as coisas, o sábio, milenar e ímpar Mago da Pitangueira.

A entrevista foi longa, de maneira que dividirá em várias partes. Primeiro as maiores curiosidades nacionais, eventos, fatos que marcarão a vida das pessoas, etc. Depois publicaremos a tradicional  previsão astrológica. Deixemos agora a palavra com o Mago.

- Diga-nos Grande Mestre e Mago da Pitangueira, como será 2018?

Vejo problemas e soluções. O mundo, que conhecemos e chamamos como nosso mundo, passa por uma mutação espiritual. Há aqueles que resistem, mas estão armados apenas de palavras, paus e pedras e há aqueles que impõem uma nova ordem e estão armados de balas, balões e balinhas nucleares. O reino da Pitangueira, apesar de ser uma democracia monocrática absolutista de grande e salutar efeito moral, social e educacional, empresarial, sexual e coisa e tal para seus moradores, está inserido nesse mundo aliado aos elementos das palavras.

- Mestre, poderia ser mais específico quanto aos problemas?

O Reino da Pitangueira não é uma ilha. Ouçam os sinais, os avisos, tal como badalos dos sinos. Não pergunte por quem dobram os sinos, eles dobram por ti.  No século XVII, quando eu caminhava entre os bretões, conheci um homem digno, John Donne, e com ele aprendi que nenhum homem é uma ilha, isolado em si mesmo; todos são parte do continente, uma parte de um todo. Se um torrão de terra for levado pelas águas até o mar, a Pitangueira ficará diminuída, como se fosse um promontório, como se fosse o solar de teus amigos ou o teu próprio. Morremos um pouco a cada morte que presenciamos. Enfim, o mal veio para ficar, faz parte do ciclo, do princípio da dualidade.

- Princípio da dualidade? Isto existe?

Para gregos e troianos, como está escrito desde sempre em Gênesis 1:1-5:

No princípio criou Deus o céu e a terra. E a terra era sem forma e vazia; e havia trevas sobre a face do abismo; e o Espírito de Deus se movia sobre a face das águas. E disse Deus: Haja luz; e houve luz. E viu Deus que era boa a luz; e fez Deus separação entre a luz e as trevas. E Deus chamou à luz Dia; e às trevas chamou Noite. E foi a tarde e a manhã, o dia primeiro.

- Então tem isto escrito na bíblia, olha só! Mais alguém sabe disto, Mestre?

Bem, maktub, assim está escrito na segunda maior instituição religiosa do planeta depois da judaico-cristã, também se referindo à criação: "Então, abrangeu, em Seus desígnios, os céus quando estes ainda eram gases, e lhes disse, e também à terra: Juntai-vos, de bom ou de mau grado! Responderam: Juntamo-nos voluntariamente."

Já na terceira maior religião do mundo, na Teogonia Védica do Hinduísmo, o Universo surgiu da respiração de Bhraman (o supremo Criador), que a cada movimento respiratório cria (expiração) e destrói (inspiração), formando o espaço – a matéria e as formas – e o tempo.

No Taoismo, Yin e Yang são as forças que se completam e se opões, construindo e destruindo.

Só estas quatro instituições representam 80% da crença mundial.

- Mas, Mestre, então o Mal existe ou não existe?

Nossa percepção do mal é superficial, rapaz. Do ponto de vista espiritual, acredita-se que sobre o Monte Armon, anjos rebelados fizeram um pacto no qual nenhum dos anjos caídos poderiam mudar de ideia na revolta contra o Criador no que ficou conhecido como Pacto Armon.

Do ponto de vista humano, o Mal geralmente se refere a tudo aquilo que não é desejável ou que deve ser destruído. Está no vício, em oposição à virtude. Meu fiel amigo Kant revelou ao mundo que o ser humano teria uma propensão para o mal, apesar de ter uma disposição original para o bem.

No século XX, Hannah Arendt retoma a questão do mal radical kantiano, politizando-o. Analisa o mal quando este atinge grupos sociais ou o próprio Estado. O mal não é uma categoria ontológica, não é natureza, nem metafísica. É político e histórico: é produzido por homens e se manifesta apenas onde encontra espaço institucional para isso - em razão de uma escolha política. A trivialização da violência corresponde, para Arendt, ao vazio de pensamento, onde a banalidade do mal se instala.

- Mestre, e Banaland?

A Pátria Amada como a conhecemos deixará de existir, após a eliminação sistemática de ideologias inteiras, quer de direita, quer de esquerda, deixando o território político quase vazio, quase totalmente desprovido de qualquer forma de inteligência. Bananaland será como o paraíso javista, será de todo mundo e não será de ninguém, pois as suas criaturas cometeram o pecado de provar da fruta proibida, descobriram que estavam nus e agora vagam de camisinhas amarelas e panelinhas silenciosas cobrindo suas partes, sem rumo, sem saber onde chegar e para onde partir.

Minas não há mais, Rio não há mais, o sul é o que é, meio gaúcho, meio portenho, meio bagual, meio índio, meio prussiano se acha deslocado, São Paulo é a viúva porcina. O Nordeste é um paraíso a ser conhecido e o norte, ah! o norte, foi dado ao povo do norte, se é que me entende.

- Diga-nos Mestre, quais são as coisas boas no meio deste caos?

Paulo de Tarso, a quem acompanhei quando esteve no Areópago, profetizou assim aos Gálatas, aqueles celtas malucos que migraram para a Turquia - “Aquilo que o homem semear também colherá” (Gálatas 6,7). Não causou surpresa o chaaato do Isaac, digo, Sir Isaac Newton - a plebe rude diz Izac, mas como todos sabemos pronuncia-se aɪzək - ter traduzido para sua percepção cientifica que toda ação gera uma reação, igual e contrária.

- Só mais uma dúvida Mestre, não necessariamente sobre as profecias, mas estes golpistas, onde moram, o que fazem, como vivem?

- Moram dentro de cada um de nós, rapaz. Depende de quem olha; depende das oportunidades e sobretudo depende do que se pode mostrar, ou melhor, do que ninguém vê, a não ser os ... golpistas.

- Bem, quando teremos as previsões astrológicas, tão esperadas na Pitangueira todos os anos?

Semana que vem, rapaz, diga ao povo que semana que vem começaremos a divulgar o que os astros reservam ao mundo em 2018, segundo seus signos.

Mestre, muito obrigado!

É isto aí!

quarta-feira, 29 de novembro de 2017

Crianças são só ouvidos quando não ouvidas.


Joãozinho e Mirinha sempre estão brincando em separado no recreio. A professora mais uma vez se aproxima para trazê-los para uma atividade com o grupo. Ao dar conta do diálogo, tamanha a complexidade das palavras saindo das crianças, resolveu aguardar:

Joãozinho, vamos brincar daquele jogo de palavras que minha mamãe faz com seu papai?

Ah, Mirinha!! outra vez?

Só mais esta, vai ...

Vamos lá, então:

Eu te amo, Mirinha!
Idiota
Eu te amo!
Estúpido
Eu te amo!
Banana
Eu te amo!
Burro
Eu te amo!
Frouxo
Eu te amo!
Imbecil
Eu te amo!

Ai, cansei, Joãozinho. Seu pai é muito repetitivo.

Está bem, Mirinha. Vamos brincar de outra coisa, este negócio de papai e mamãe é um saco.

É isto aí!

terça-feira, 28 de novembro de 2017

Hipocondria Preguiçal (Amanda Lopes de Freitas)

Alto lá
Esta prosa em versos não é minha
Confesso que copiei e colei
Autora - Amanda Lopes de Freitas
Fonte - Blog Sofia de Boteco

Fui ao médico, porque me sentia doente.
Respondeu-me o médico-ríspido-reticente: ...

Não é caso de Enxaqueca,
Psicose ou Dermatite.
Tampouco de Virose,
Depressão ou Estomatite.

Esquizofrenia, Bipolaridade,
Anorexia ou Ansiedade.
Autismo ou Bournot,
quiçá Tourrete ou Edwards.

Ovário Policístico
ou Extração dos dentes siso.
Gravidez do tipo ectópica
ou Neurastenia neurótica.

Abcessos assépticos disseminados
ou Abcessos assépticos sistemáticos.
Queloide na orelha
ou Início de cegueira.

Alopecia fibrosante frontal
ou Distúrbio de tireoide.
Seu Colesterol é bom o mau, é bom o bom,
como a Pressão arterial.

Nada de Cistos no ovário
ou Sebáceos secundários.
Não tens DST´s,
nem Anemia ou Palidez.

Descarte as Leucemias,
das Mieloides às Linfoides.
Não é Fotossensibilidade,
algum Glaucoma ou Idade.

Nem Gripe, Resfriado,
Olho gordo e Mau-olhado.
Esqueça a Febre interna,
a Dor nas pernas, a Diarreia.

A Síndrome do Coração partido
ou um Reumatismo adquirido.
Nada há Alzheimer precoce,
Menopausa precoce, Demência precoce.

Caxumba, Catapora
ou Sarampo e Carambola.
Malária, Dengue, Raiva,
Chagas, Asma ou Urticária.
...
- O que tenho, Doutor?
- Preguiça Hipocondríaca Crônica ou Hipocondria Preguiçal.
-Tratamento, Doutor?
- Durma 14 horas por dia, pendurada numa árvore.
- Obrigada, Doutor!
- Doutor é quem faz Doutorado.
- Eu faço Doutorado, senhor, mas quem manda na língua é o linguageiro.
(Silêncio)
- Recomendo que se isole da sociedade e desça do topo da árvore apenas para as necessidades fisiológicas. E coma muitas folhas, raízes e brotos.
- Obrigada, Bom dia....
- De nada, Boa noite...

segunda-feira, 27 de novembro de 2017

A incrível capacidade de tudo ser possível

Gravura do século 17 anônima do rei Luis XIV
 aos 15 anos, como dançarino interpretando o Sol.
Caso 1 -
Uma mulher, supostamente residente no Canadá, se apresenta como rica e de vez em quando posta agressivas palavras contra determinadas pessoas.

É possível que seja dependente química legal ou ilegalmente, em crise de abstinência.
É possível que seja paciente com transtornos psiquiátricos sérios.
É possível que seja estimulada por patos amarelos, empresas estrangeiras, golpistas velhacos.
É possível que seja tudo junto e misturado.

Caso 2 -
Um golpista em exercício do golpe passa por delicado procedimento cardiovascular, e a revista mais ridícula do país, semanal, dominical mais precisamente, mostra políticos presos no RJ.

É possível que seja dependente integral de verbas federais para desviar o foco.
É possível que seja parte interessada em se manter o golpe.
É possível que seja estimulada por patos amarelos, empresas estrangeiras, golpistas velhacos.
É possível que seja tudo junto e misturado.

Caso 3 -
Parte histriônica da classe média que tem horror a pobre, pretos e putas pobres e pretas, silencia diante de tanta safadeza. Dizem nos salões de baile custeados pela Viúva que esta gente tem certa resiliência com as Putas pobres brancas, que toleram até certo ponto (desde que não casem na família) e tratam putas ricas brancas como da família (ou isso propriamente dito).

É possível que seja dependente legal ou ilegalmente, de altos salários sob o fantasma da crise.
É possível que seja paciente com transtornos psiquiátricos sérios.
É possível que seja estimulada por patos amarelos, empresas estrangeiras, golpistas velhacos.
É possível que seja tudo junto e misturado.

Caso 4 -
A situação golpista terá que desdobrar um golpe dentro do golpe para parecer que não foi golpe e com isto ficar mais oito anos sem sair da cadeira.

É possível que seja cara de pau o suficiente para tamanha hipocrisia
É possível que seja paciente com transtornos psiquiátricos sérios.
É possível que seja estimulada por patos amarelos, empresas estrangeiras, golpistas velhacos.
É possível que seja tudo junto e misturado.

É isto aí!

O Planeta Trapht


Físicos do Observatório Real do Reino da Pitangueira entregaram nesta manhã, em solenidade assistida por todo o reino, documentos referentes ao processo de aproximação entre o Planeta Trapht e este domínio imperial. A seguir apresentamos coisas que acontecem por lá, que aqui seriam tratadas como impossíveis, dado ao grau de civilidade alcançada neste nosso torreão.

Segundo os cientistas, as investigações se dividiram em vários aspectos da vida social de Trapht. Abaixo reproduziremos os mais importantes:

1 - Da organização do Estado
Em Trapht há um poder único, central, que banca e mantém a Sufferre a ferro e fogo - é a Aristokratia. O modelo Sufferre é padrão irrevogável para todos os reinos, que são denominados de Frâncico (aqui conhecemos como país ou estado) e a partir dele, os Frâncicos podem ser monarquias parlamentares ou não, presidencialistas parlamentares ou não, democracias ou não, absolutistas ou qualquer forma que atenda aos reclames da plebe.

2 - Das Religiões.
Em Trapht existem vários movimentos religiosos. Todos tem razão, todos tem argumentos e todos tem seus seguidores. Eventualmente um ou outro líder se destaca em detrimento do poder local, quando este tenta de afastar do modelo Sufferre.

3 - Da Ciência.
Toda a Ciência é controlada pela Aristokratia, sem contra-argumentação. Uns poucos Frâncicos obtêm privilégios exclusivos em detrimento de 98 % dos demais. 

4 - Da Educação
São dois modelos - Aquila e Caepulla
Ambos tem o ciclo fundamental - Apopores minimus
O ciclo médio - Silqa 
O ensino superior - Zool

Aquila é para poucos Frâncicos, os outros 98% seguem o modelo Caepulla.

5 - Do Sexo
Reprodutor Doador -  Árgons 
Reprodutor Receptor - Âryas.

O Reino da Pitangueira aguarda o cumprimento dos ritos protocolares para entrar em contato com este Planeta, mas segundo pesquisas realizadas pelo Centro Imperial de Pesquisas Sociais (CIMPES), os professores, sociólogos, filósofos, maestros de banda de rua, garçons, parlamentares honestos, parlamentares corruptos, estivadores, mestres, servidores públicos, violeiros, andarilhos, donos e donas de casa, empresários, marginais, marginalizados e cantores de Karaokê locais acreditam que não irão acrescentar muita coisa na nossa vida não. 


É isto aí!

domingo, 26 de novembro de 2017

Ao vencedor, as batatas

Fui ao supermercado logo pela manhã. Na entrada, um senhor faz test-drive nos carrinhos. A princípio achei que estava fazendo hora, mas a coisa era séria. Com muita dificuldade escolheu um que julgou ser o melhor para pilotar. Eu pensei em dizer a ele que o problema dos carrinhos não são as rodas, mas a grande concentração de fungos e bactérias em toda a sua área de contato com os humanos. 

Gosto de ir para as filas primeiro, acho menos entediante. No setor de frios peguei a ficha 3. A mocinha do balcão gritou - preferencial, quem é preferencial?

- Uma senhora ao meu lado dirigiu-me a palavra - acho que é com o senhor, vovô.

Olhei sério para ela e disse que não, eu não sou da fila preferencial. A mocinha chamou o número 1, o 2 e finalmente o 3. Pedi 100 g de pasta de berinjela e 100 g de ante-pasto de alho porró. Aquela senhora, que ainda estava ali, cutucou-me  e disse:

- Sabe tudo, hem vovô, só coisa gostosa. Agora, quando eu aposentar não ficarei assim de bobeira não, quero usar e abusar do preferencial.

Confesso que desejei uma resposta, mas me contive. Dali decidi tirar esta barba escandalosamente branca, que não combina bem com meu espírito natalino cristão. Afinal aquela imagem do bom velhinho de roupa vermelha e barba branca foi criada pela cacacala em 1931, e deste povo estou incluído do lado de fora.

Saí dali para o setor hortifruti. Uma casal fitness, coisa moderninha, com idade na faixa dos 40/45 anos escolhia os vegetais. A senhora, corpo malhado sob uma roupa que mostrava sua natureza atlética, chamou um rapaz - quero falar com o gerente. O rapaz saiu e voltou com uma moça com ar de professora boazinha dos primeiros anos do ensino fundamental.

- Pois não?

- Você não vendem orgânicos aqui? Não estou vendo identificação, isto é muito complicado.

- A moça franziu a testa e respondeu o óbvio para garantir seu emprego - nossa empresa trabalha com os melhores fornecedores, etc etc etc.

Pensei em dizer ao casal fitness que nossa água está totalmente dominada por antibióticos, entorpecentes, hormônios sintéticos, drogas ilícitas, óleos sintéticos, etc e tal. Mas achei que ela deve saber de alguma fonte redentora e limpa neste planeta. Mas evite a Bahia da Guanabara, Santos, Floripa, Porto Seguro, Praia da Costa, Cabo Frio, Guarapari, Recife, Costa disto e daquilo se não quer ficar com overdose em banho marítimo, pois toda  água vai dar no mar.

Ao ver partirem os fitness, passa ao meu lado um casal discutindo relação - ele mudo na frente e ela falando coisas ininteligíveis e em tom baixo raivoso logo atrás. Ele parou na mesma banca que eu, de batatas, de maneira que ficamos de frente. Ela foi se aproximando, ficou no meio da banca, e de dedo em riste quase no nariz do companheiro, brandiu alto e claro - eu não quero nem saber, se vira, só volte depois de se entender com aquela puta... Ele olhou para mim como pedindo socorro e ela fuzilou-o com um olhar letal, deu meia volta sobre o próprio eixo e partiu feito uma guerreira, com seu vestido solto e pele vermelha de ódio. Abaixei os olhos e pensei ... ao vencedor, as batatas!

Passando pelo setor de papelaria, uma menina, com seis ou sete anos encantada com tudo que via. E o avô dizendo - Clarinha, para com isto, vamos olhar outras coisas, depois tirarmos fotos, pois seu pai falou que vocês irão voltar hoje. E ela - ah! Vovô, lá não tem isto tudo e eu amo material escolar ... 

Levei as compras ao automóvel, com o intuito de retornar para passar no caixa eletrônico. Uma mocinha, num carro destes que eu teria que trabalhar uns dez anos só para pagar o seu preço, fora manutenção e taxas, parou e exigiu a minha saída. Olhei para ela que olhou para mim com olhar de desprezo de pobre. Falei que voltaria para o estabelecimento. Disse umas duas ou três palavras envolvidas com uma irritante goma de mascar, acelerou e colocou na vaga dos idosos.

Quando estacionou, vi saírem do carro duas coxas enormes sobre um salto imenso, sustentando um corpo esculpido num misto de silicone, malhação e bisturi. Ela então abriu uma enorme bolsa, tirou algo plastificado e atirou no painel. Enquanto batia a porta e flutuava de forma interessante pela passarela do estacionamento, fui andando lentamente, observando o segurança que fazia a mesma coisa. Juntos vimos que no painel, em papel plastificado, legalmente oficial, tinha uma licença para estacionamento de idosos. Entreolhamos, dei de ombros enquanto ele ria sem parar apontando o dedo para mim - aí véi ... cês é foda!

Cheguei em casa e fiz a logo a barba para não dar tempo de arrepender.

É isto aí!

quinta-feira, 23 de novembro de 2017

Se o amor for a estrada pavimentada para o Paraíso, então as paixões são o que exatamente?

Em recente seminário científico na Real Academia de Ciências do Reino da Pitangueira, um dos mais destacados e renomados cientistas comportamentais discorreu sobre a tese que está preparando sobre as Paixões Humanas, sensações, sequências e consequências. O tema e título da tese foi:

"Se o amor for a estrada pavimentada para o Paraíso, então as paixões são o que exatamente?"

Na primeira fase da palestra fez citações de trabalhos já reconhecidos da ciência e em seguida abriu para a participação dos presentes, cujas respostas seriam analisadas como amostragem para suas pesquisas de campo. 

Senhoras e senhores, o que contradiz a ciência perante nossas paixões?

Cientistas, pouco dados a sentimentos humanos além das paredes de congelantes laboratórios, descobriram ou pelo menos acreditam que descobriram que a Paixão é um sentimento que aparece assim, do nada, de repente, é pouco racional e na maioria das vezes infla o peito de felicidade e satisfação, enquanto dura. 

Não é fácil entender como e por que nos apaixonamos, mas a ciência possui um modelo de compreensão que, apesar de não ser romântico, não deixa de ser fascinante.

Por que as pessoas se apaixonam?

De acordo com uma tese científica  publicada por dois renomados cientistas norte-americanos sobre a paixão, Elaine N. Aron e Arthur Aron, membros do Departamento de Psicologia da Universidade Estadual de Nova York em Stony Brook, Stony Brook, o motivo pelo qual as pessoas se apaixonam é para que exerçam, inconscientemente, um processo chamado de auto-expansão, que nada mais é do que, basicamente, um meio para nosso rápido crescimento pessoal.

Ainda segundo os estudos científicos do casal, o modelo de "auto-expansão" desenvolveu-se a partir de uma confluência de pesquisas sobre atração e excitação, psicologia oriental, teoria da motivação e psicologia social das relações pessoais. O modelo trata o desejo de um relacionamento com um outro particular, como decorrente de um desejo de expandir o eu, incluindo esse outro em si mesmo, além de associar a expansão com esse outro particular.

Depois de falar sobre a "Auto-Expansão", nosso convidado citou algumas correntes filosóficas, ressaltando sempre que Paixão e Razão são realidades humanas que a filosofia já expressou inúmeras vezes seja sobre a dualidade de um corpo e uma alma imaterial ou como subdivisões entre as partes.

Ao final da excelente palestra, voltando-se para as dezenas de pessoas presentes ao evento, pediu que alguns voluntários respondessem à pergunta abaixo, num cartão que estava sob as cadeiras: 

"Se o amor for a estrada pavimentada para o Paraíso, então as paixões são o que exatamente?"

A maioria fez uma sinopse, baseados na percepção da palestra, e a última foi a que lhe chamou mais a atenção. Vejamos o que responderam os habitantes do Reino da Pitangueira que mais se destacaram. Você, leitor, poderá também participar, respondendo ou indicando a que mais gostou:

- flashes solares ofuscantes que nos cegam
- falha na programação genética
- falha na educação
- a culpa é das estrelas
- virose
- doença psico somática neuro vegetativa não contagiante
- diarreia ao volante
- quebra-molas em auto-pista, à noite, sem sinalização, com neblina e eu com os faróis ruins.
- atalhos aprazíveis para o corpo e talvez para a alma.
- atalhos doloridíssimos para o corpo e para a alma.
- prenúncio de cardiopatia grave.
- postos de abastecimento tipo Ypiranga, com tudo lá dentro
- postos de abastecimento sem apoio logístico
- postos de abastecimento com gasolina fraudada
- acostamento à beira do abismo
- abismo sem acostamento
- luau paradisíaco com quem de direito
- tesão sem freio
- temporal rápido e devastador
- temporal rápido seguido de muita chuva, raios e trovoadas
- chuva intensa e demorada com clima abafado.
- garoa que começa bem, vai ficando enjoativa vai indo vai indo e cansa
- praia ensolarada e quente no inverno
- uma crise asmática súbita
- uma engasgada desesperadora
- uma vontade doida de ficar doido
- o inesperado alucinante
- o inesperado lacrimejante
- o desespero pelo apego à vida
- o desespero por ter tomado a estrada errada
- o desespero para ninguém perceber que saiu da estrada.
- um terremoto demolidor
- um tsunami gigante
- Um choque paralisante gozoso
- Um choque paralisante duplamente gozoso
- Só um choque sei lá de que como quando e onde, mas que foi bom demais da conta.
- Um choque por eletricidade estática por um único pulso sensorial de descarga.

Por fim, o que chamou mais a sua atenção como cientista foi uma resposta complexa que considerou o Graal das Paixões dos presentes:

As paixões, quando aparecem, sempre surgem com grande poder transformador e desorganizador. Atuam feito um choque por eletricidade dinâmica, como na corrente alternada, exigindo, claro, a presença marcante dos dois polos, um positivo outro neutro, ou um positivo outro negativo, ou uma fase outro neutro, ou um preto e um vermelho, enfim, tem que ser e estar duas pessoas ali.

A sensação que uma pessoa apaixonada experimenta é a de um violento estremecimento no corpo, seguido de um calor intenso no ponto de contato. Esse estremecimento é tão mais intenso quanto maior for a tensão e a frequência elétrica apaixonantemente aplicada, enquanto que a “queima” do corpo, no ponto de contato, é tão mais forte quanto maior for a intensidade da corrente sentida. Neste caso, a corrente que flui através do corpo causa, dentro de pouco tempo, mudanças absurdas de comportamento. 

Concomitante a isto coisas estranhas, inexplicavelmente malucas e intangíveis se sucedem desordenadamente nos tecidos nervosos e cerebrais e por onde passa deixa sua marca indelével, única, exclusiva de cada um. Uns sentem dor pelo resto da vida, outros arrependimento, outros mágoa, outros saudade. A marca da paixão, no geral, é um espinho na carne. 

É isto aí!